2022-03-11
Tanques russos transportados por Belarus. Imagem ilustrativa.

De acordo com o Centro de Direitos Humanos Viasna, oito pessoas foram detidas em Belarus por suspeita de sabotagem na ferrovia belarussa após o início da guerra na Ucrânia. Os ferroviários disseram que, devido à sabotagem (“guerrilha ferroviária”), os trens que transportavam equipamento militar russo e munições deixaram de circular por Belarus. Os detentos enfrentam até 15 anos de prisão por prepararem um “atentado terrorista”.

No dia 6 de março, Siarjei Kanavalau, funcionário da ferroviária de Belarus, foi detido em Vítsebsk. De acordo com o Ministério do Interior, ele havia planejado desativar os sistemas de segurança do tráfego ferroviário. De acordo com a comunidade ferroviária, pouco antes da detenção o homem teve um conflito com o ideólogo e ex-chefe da polícia de transportes Hliatchkou. Depois desse conflito Hliatchkou informou o GUBOPiK e a KGB sobre a suposta sabotagem planejada por Konovalov, após a qual foi detido sem nenhuma razão real. Foi aberto um processo penal contra Konovalov pela preparação de um ato de terrorismo.

Em Svetlogorsk foi incendiado um gabinete de uma instalação de sinalização na ferrovia. De acordo com o Ministério do Interior, foi cometido por três residentes de Svetlogorsk. Foi aberto um processo criminal contra eles por terem cometido um ato de terrorismo.

Depois de 2 de março, foram iniciadas buscas em Svetlogorsk em conexão com a queima de um gabinete de revezamento para sinalização, centralização e intertravamento na linha Ostankovichi-Zherd. Essa linha ferroviária vai até Ovruch, na região de Zhytomyr, na Ucrânia. Os cônjuges Dmytro e Natalya Ravych, o irmão de Natalya Denys Dikun e sua namorada Alisa Malanova foram detidos por suspeita do caso. Um vídeo “arrependido” de Dzianis, que parece muito espancado, apareceu em canais de televisão pró-governamentais.

no dia 2 de março, um residente local Aliaksei Shyshkovets, de 43 anos, foi detido em Asipovichy. De acordo com o Ministério do Interior, o homem juntou-se à “formação extremista” BYPOL e autorizou em seu chat-bot a executar instruções para a preparação de sabotagem na ferrovia. Foi aberto um processo criminal contra Alexei por participar de uma formação extremista com o objetivo de cometer crimes.

De acordo com o Ministério do Interior, dois residentes locais foram detidos em Stolbtsy na noite de 1º a 2 de março. A organização de direitos humanos “Viasna” soube que esses eram os cônjuges Siarhei e Katerina Glebko. No vídeo “arrependido”, o homem confessa que colocou dois troncos nos trilhos da ferrovia e os pôs em chamas. No vídeo, Siarhei parece batido.

O “guerrilheiro ferroviário” foi detido em Zhodzina no dia 2 de março, mas os detalhes de seu caso ainda não são conhecidos