2021-08-05
63% dos anúncios em canais de TV estatais belarussos são comprados por empresas europeias e estadunidenses.

Dois terços dos comerciais transmitidos pela televisão estatal belarussa foram feitos de acordo com os interesses de grandes corporações da Europa e dos Estados Unidos. Isso é confirmado pela análise da organização alemã-suíça de direitos humanos Libereco.

Quase dois terços (63%) dos 874 comerciais exibidos durante a semana no horário nobre nos canais estatais belarussos foram de empresas ocidentais. Os comerciais são exibidos imediatamente antes, depois e durante programas políticos e noticiosos que têm um formato de propaganda óbvia.

O líder absoluto é Procter & Gamble (EUA, 100 vídeos). Em seguida, vêm Nestlé (Suíça, 79), Mars (EUA, 44), Henkel (Alemanha, 43), Colgate-Palmolive (EUA, 37), Sandoz (Suíça, 35), Coca-Cola (EUA, 35), PepsiCo ( EUA, 33), Dr. Theiss Naturwaren (Alemanha, 32) e Mondelez International (29, EUA). Um total de 82 comerciais foram exibidos pela Carlsberg (Dinamarca), L’Oréal e Sanofi (ambas da França), Dolorgiet (Alemanha), GlaxoSmithKline (Reino Unido), Śnieżka (Polônia) e Gedeon Richter (Hungria).

A Libereco exortou todas as empresas da UE, EUA, Suíça e Reino Unido a pararem imediatamente de mostrar comerciais nos canais de TV estatais de Belarus e, assim, parar de apoiar financeiramente o regime de Lukashenka.

“Há um ano, o regime de Lukashenka tem aterrorizado sua própria população, mesmo o último gerente de relações públicas deveria saber disso. É um escândalo que marcas globais como Procter & Gamble, Mars, Henkel, Coca-Cola ou PepsiCo ainda sejam amplamente divulgadas pelos canais de propaganda do ditador. As empresas, obviamente, se preocupam apenas com seus lucros, a situação catastrófica no campo dos direitos humanos em Belarus não as incomoda de forma alguma”, disse o presidente da filial alemã da Libereco, Marco Fiber. Ele acusou as corporações ocidentais de “falência moral”.