2022-03-08
Centro de acolhimento de refugiados em Przemyśl.

O jornalista e músico belarusso Ihar Palynski fala em sua coluna no MOST sobre sua viagem voluntária à fronteira ucraniano-polonesa.

Ainda nos primeiros dias da guerra, a ajuda voluntária aos refugiados ucranianos foi organizada na fronteira ucraniano-polonesa. Ihar e seus amigos compraram as coisas necessárias: alimentos, bebidas e produtos de higiene. O jornalista foi onde achava que as pessoas precisariam de sua ajuda. Primeiro, ele foi de carro de Białystok em direção ao povoado polonês de Medyka, que é o ponto de passagem fronteiriço mais movimentado através do qual os ucranianos entram na Polônia de carro, ônibus e a pé.

Ihar foi de carro até Przemyśl, a cidade fronteiriça mais próxima, e decidiu passar lá a noite. Havia também muitos belarussos na linha de refugiados da Ucrânia. Aqueles que uma vez foram obrigados a fugir da perseguição política em Belarus. Agora eles são forçados a fugir da Ucrânia da guerra que Putin começou.

Os serviços poloneses locais organizaram transporte gratuito para os refugiados de Medyka para Przemyśl. E em Przemyśl, um verdadeiro campo de refugiados foi instalado em um estacionamento perto de uma loja. O trabalho no campo é muito bem coordenado. As pessoas trazem muitas coisas necessárias: roupas, comida, bebidas, brinquedos para as crianças. Os voluntários ajudam a descarregar e ordenar as coisas. Há uma tenda separada com cabos para carregar os telefones, uma tenda com bebidas quentes. Aproximadamente a cada vinte minutos chegam ônibus a partir da fronteira. Pessoas com cartazes dizendo “Varsóvia”, “Alemanha”, “Tchéquia”, “Lituânia” se aproximam deles. Os logísticos voluntários ajudam os refugiados a encontrar o transporte para o lugar certo.

Ihar encontrou passageiros que queriam chegar à cidade de Chełm: uma mãe, duas filhas adultas e uma menina de uns seis anos. A família veio de Kyiv. Falaram de sua viagem à Polônia. Ihar perguntou como eles percebiam agora os belarussos. “Estávamos observando e simpatizando com vocês em 2020. Não é culpa sua, o que vocês podem fazer com suas próprias mãos a Lukashenka”? Eles também não têm ódio pelo povo russo: “Putin não é a Rússia e Lukashenka não é Belarus”. Eles agradeceram a todos os foram às ruas para expressar sua solidariedade com a Ucrânia.O trabalho voluntário também está muito bem estabelecido em Chełm. Um trem de evacuação de Lviv chega a cada poucas horas. Diferente de Przemyśl, muitas pessoas foram encontradas em Chełm por seus parentes ou conhecidos. Aquelas que queriam ir para Varsóvia foram transferidas para um trem livre direto. Entre as pessoas refugiadas encontravam-se, em sua maioria, mulheres com crianças pequenas.