2022-04-21
Discurso de Sviatlana Tsikhanouskaya ao receber o Prêmio Quatro Liberdades. Foto: belsat.eu

A Fundação Roosevelt concedeu a Sviatlana Tsikhanouskaya o prestigioso prêmio Four Freedoms por liderar a resistência pacífica contra o regime opressivo em Belarus e por ser uma proeminente defensora da liberdade política e civil. Em seu poderoso discurso ao receber o prêmio, a política destacou a importância de aprender a “chamar as coisas pelo seu nome verdadeiro” e compartilhou as seguintes mensagens importantes:

“Tenho a sensação de que o mundo não entende realmente o que os regimes do Kremlin e Minsk realmente são. O medo cega. A indiferença cega. Os interesses econômicos cegam. Não há outra maneira de dizer isso: esses regimes são um mal absoluto hoje. o mal cresce como uma doença e não vai parar em Belarus e na Ucrânia”.

“Quando os russos atacaram a Ucrânia, as pessoas em Belarus escolheram ir às ruas em cidades de todo o país. Foi uma escolha difícil e dolorosa. 1.500 pessoas foram presas nas primeiras semanas. Mas foi a escolha certa. Pessoas em Belarus são presas todos os dias. Por orar pela Ucrânia na igreja. Imagine os homens à paisana entrando furtivamente durante o culto para identificar os fiéis e prendê-los. É assim que Belarus é hoje. Mas Belarus ainda resiste”.

“Os ditadores não podem ser reeducados. Os tiranos são encorajados pelo apaziguamento, não aplacados. A Europa ganhou sua liberdade de Hitler não através do apaziguamento, mas através de uma ação firme e unida contra o Reich de Hitler. Somente se o mundo se unir na luta contra o mal seremos capazes de vencer. Não vamos esquecer que solidariedade e humanidade são nossos superpoderes. E é isso que nos distingue do mal.”

Tsikhanouskaya também prestou homenagem à bravura dos belarussos que participam do Movimento Anti-Guerra, protestando nas ruas e interrompendo o transporte russo nas ferrovias. “Continuaremos a lutar pela liberdade de Belarus, pela Ucrânia e contra a tirania que quer enviar o mundo de volta à idade das trevas”, disse ela. “Se falharmos, as trevas chegarão. Mas em cada mãe resgatando seus filhos, em cada filho e filha resgatando seus pais, em cada ato de compaixão, vejo que o amor é mais forte que o ódio.”

“Não podemos deixar os ditadores fazerem história, porque a história – e o futuro – pertence a nós”, concluiu a líder da Belarus democrática.