2022-01-03
Sviatlana Tsikhanouskaya.

Sviatlana Tsikhanouskaya, em 21 de dezembro, dirigiu-se ao Google com um pedido para verificar o abuso do serviço YouTube, que anunciava vídeos de interrogatórios de prisioneiros políticos belarussos. O Conselho de Coordenação e as famílias dos presos políticos chamaram a atenção do público para o fato de que , de acordo com a Convenção das Nações Unidas contra a Tortura, o testemunho forçado é qualificado como tortura. Tsikhanouskaya pediu que fossem tomadas medidas para impedir a exibição de tais vídeos.

O vice-presidente do Google, Karan Bhatia, respondeu ao apelo: “Removemos os anúncios que a senhora denunciou por violar nossas regras. Restringimos essas contas de anúncios de veicular qualquer anúncio adicional e usaremos regras automatizadas para sinalizar proativamente quaisquer novos anúncios criados e páginas e/ou vídeos inadequados”. O diretor executivo também convidou a equipe de Tsikhanouskaya para discutir o problema em uma reunião.