2021-08-02
Krystsina Tsimanouskaya.

O Ministério das Relações Exteriores da Polônia ofereceu assistência à atleta belarussa Krystsina Tsimanouskaya, que foi afastada das Olimpíadas e sofreu tentativa de sequestro em Tóquio após críticas à liderança da seleção de Belarus. Ela recebeu um visto humanitário polonês e poderá continuar sua carreira esportiva na Polônia.

No momento, supõe-se que Tsimanouskaya sairá de Tóquio a Varsóvia em 4 de agosto.

Seu marido precisou deixar Belarus com urgência. Em Kyiv, ele deu sua primeira entrevista: “Estou chocado com os representantes da nossa equipe, como eles pressionam as atletas”.

A UE considera a tentativa de devolver à força a atleta Krystsina Tsimanouskaya a Belarus como “outro exemplo da repressão do regime de Lukashenka”.

Enquanto isso, o Tribunal de Arbitragem do Esporte rejeitou o pedido de Krystsna Tsimanouskaya de anular a decisão do CON de Belarus sobre sua remoção das Olimpíadas.

A Organização Internacional Global Athlete apela ao COI suspender imediatamente o funcionamento do CON de Belarus e permitir que atletas deste país compitam em status neutro em conexão com o escândalo com a atleta Krystsina Tsimanouskaya.

Krystsina Tsimanouskaya é campeã de Belarus nos 100 e 200 metros, vencedora da Universíade 2019 nos 200 metros, e medalhista de prata dos II Jogos Europeus nos 100 metros.