2021-08-16
“Marcha pela Liberdade”. 16 de agosto de 2020.

Há um ano, em 16 de agosto de 2020, massivas manifestações eclodiram em várias cidades belarussas. Manifestantes pacíficos exigiam o fim da violência, a renúncia de Lukashenka e novas eleições.

Em Minsk, a Marcha pela Liberdade se tornou a manifestação mais numerosa de toda a história de Belarus, com participação de 200 mil a meio milhão de pessoas. As pessoas se reuniram na Estela, onde, poucos dias antes, as forças de segurança lançaram granadas e dispararam contra manifestantes. O clima geral foi muito positivo, as pessoas vieram com famílias e crianças pequenas, estranhos se abraçaram e cantaram, voluntários trouxeram água. Bandeiras tremulavam no ar, as pessoas tinham esperanças reais para as mudanças tão esperadas.

Membro das Campanhas Eleitorais Unidas, Maryia Kalesnikava, que agora está sendo julgada a portas fechadas e que pode receber até doze anos de prisão, também se dirigiu ao povo belarusso com um discurso.

Hoje, muitos belarussos estão relembrando, nas redes sociais, o dia 16 de agosto de 2020, quando todos viram pela primeira vez quantas pessoas no país querem mudanças: “Às vezes, devemos nos lembrar: todas essas pessoas maravilhosas não sumiram. Estão cansadas e com raiva – talvez. Mas elas não sumiram”.