2021-12-12
Mikalai Bredzialiou, imagem do acervo.

Nos últimos dias, funcionários de subsidiárias belarussas de empresas multinacionais foram detidos pelo regime, de acordo com Belsat. As detenções foram acompanhadas de insultos públicos e violação da privacidade dos detidos.

Em 11 de dezembro, Dzianis Nassura, analista-chefe de negócios da gigante de software EPAM em Belarus, foi detido e condenado a 13 dias de prisão. Em um vídeo “confessional”, ele pede desculpas por ter participado dos protestos de 2020 e por se inscrever em canais do Telegram que criticam o regime. Em 10 de dezembro, descobriu-se que Siarhei Babashkou, executivo de marketing da Hyundai, e Mikalai Bredzialiou, chefe de relações públicas da provedora de telecomunicações A1 em Belarus, também foram detidos. Os vídeos com suas desculpas e detalhes de sua vida privada também apareceram online. Ao mesmo tempo, a mídia propagandista belarussa lançou uma campanha de perseguição da A1, chamando-a de “empresa terrorista”.

O Ministério das Relações Exteriores da Áustria, a Embaixada da Áustria e o A1 Telekom Austria Group condenaram as ações das forças de segurança contra Bredzialiou. A empresa-mãe da operadora de telecomunicações belarussa disse que usaria todos os meios legais e diplomáticos disponíveis para apoiar e proteger seus funcionários.