2021-08-04
Maria Kalésnikava e Maksim Znak no tribunal.

Em Minsk, começou o julgamento pelo processo judicial contra os representantes do comitê de campanha do ex-candidato à presidência, Viktar Babaryka, membros do Presidium do Conselho de Coordenação da oposição belarussa, Maryia Kalésnikava e Maksim Znak. O julgamento está sendo realizado a portas fechadas, apesar de mais de 3.800 pessoas, entre políticos e ativistas públicos de diversos países, terem exigido a abertura do julgamento.

Ambos os réus poderão ser condenados a até 12 anos de prisão. Eles são acusados de acordo com a seção 3 do Artigo 361 (Apelações à Ação contra a Segurança Nacional), seção 1 do Artigo 357 (Conspiração para tomada de poder estatal por meios inconstitucionais), seção 1 do artigo 361–1 (Criação e liderança de um grupo extremista). Os advogados dos prisioneiros afirmam que, na realidade, Maksim Znak está sendo perseguido por expressar sua opinião profissional sobre questões jurídicas e o exercício de direitos fundamentais, e que as ações de Kalésnikava não visavam infligir, mas prevenir danos à segurança nacional.

Organizações de direitos humanos reconheceram Kalésnikava e Znak como prisioneiros políticos. No julgamento, ambos os presos políticos irradiaram calma e confiança, e Maryia dançou na jaula, sorriu e mostrou seu símbolo, mãos em forma de coração, pelo qual milhões de belarussos se apaixonaram.