2021-06-23
Pintura “Eva”, de Chaim Soutine.

Hoje, as pinturas apreendidas pela investigação da coleção do Belgazprombank foram devolvidas à galeria Art-Belarus, informa a assessoria de imprensa do banco.

Em junho de 2020, em um processo criminal contra a diretoria do Belgazprombank, foram apreendidas as telas que integravam a coleção do banco, no valor total de US$20 milhões. Segundo a mídia estatal, os objetos de arte estavam sendo “preparados para serem exportados do país”. Desde então, eles foram confiscados e não exibidos. Entre as 150 pinturas estavam obras de Marc Chagall e Chaim Soutine. O ex-diretor do banco, Viktar Babaryka, era visto pelos defensores das mudanças como o principal rival de Aliaksandr Lukashenka nas eleições presidenciais, portanto, tanto a detenção de Babaryka quanto a apreensão dos quadros despertaram indignação do povo belarusso.

O Palácio das Artes informou que 136 itens foram devolvidos à galeria. Conforme informado, algumas das pinturas apreendidas foram mantidas na galeria de Liliya Lukashenka, esposa de Viktar Lukashenka [filho mais velho de Aliaksandr Lukashenka – Trad.], que entrou recentemente na quarta lista de sanções da UE.