2022-02-03
Natallia Hersche.

Suíça planeja em breve enviar a Minsk sua embaixadora Christine Honegger Zolotukhin, que será a primeira diplomata ocidental a apresentar suas credenciais a Lukashenka após as eleições fraudadas de 2020.

O Ministério das Relações Exteriores da Suíça confirmou a informação, a pedido de Zerkalo.io, especificando que a apresentação de credenciais não é considerada um ato de reconhecimento da legitimidade de Lukashenka. “Nossa nova embaixadora se esforçará para transmitir a Belarus as principais demandas da Suíça. Estas são, em particular, a libertação de todas as pessoas detidas arbitrariamente, a investigação de casos graves de tortura e maus-tratos, bem como a liberdade de expressão”, comentou o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Valentin Klivaz.

Especialistas acreditam que, por trás disso, há um desejo de ajudar aprisioneira política Natallia Hersche, cidadã de Belarus e da Suíça. Ela foi condenada a 2,5 anos de prisão por retirar uma balaclava de um policial de choque, durante uma das passeatas das mulheres. Khershe fez repetidas greves de fome para protestar contra as condições insuportáveis de detenção. A mais recente terminou em 2 de fevereiro, após negociações com a administração penitenciária. A ativista foi persuadida várias vezes a escrever um “pedido de perdão” dirigido a Lukashenka. Mas ela se recusa a fazê-lo, pois se considera inocente.