2021-06-15
Pouso forçado do avião da Ryanair.

De acordo com o diretor executivo da Ryanair, Michael O’Leary, o pouso forçado da aeronave da Ryanair usando uma aeronave militar MiG em 23 de maio de 2021, em Belarus, foi uma violação deliberada de todas as regras da aviação internacional. O avião pousou com base em uma falsa ameaça de explosivos a bordo, para prender o ativista da oposição belarussa Raman Pratassêvitch.

Controladores de tráfego aéreo belarusso comunicaram à tripulação que tinham conhecimento de “uma ameaça real caso o avião entre no espaço aéreo da Lituânia ou tente pousar no aeroporto de Vilnius, uma bomba explodirá a bordo”. Ao mesmo tempo, o capitão pediu, sem sucesso, para entrar em contato com o centro de controle de operações da Ryanair em Varsóvia.

Após o pouso, várias pessoas desconhecidas, com câmeras de vídeo, entraram na cabine e tentaram forçar a tripulação a dizer em vídeo que se dirigiam voluntariamente para Minsk, mas a tripulação se recusou a fazê-lo. “Era um ambiente muito perigoso e hostil”, disse o capitão do avião. Ele também disse que quando o avião decolou novamente, cinco passageiros haviam desaparecido. Eram Raman Pratassêvitch, sua companheira, cidadã russa Sofia Sapega, e três “pessoas não identificadas”, provavelmente agentes da KGB.

Em uma reunião do Comitê de Transporte do Parlamento Britânico, O’Leary apoiou sanções duras de curto prazo contra Belarus, que permitiu, em suas palavras, “pirataria financiada pelo Estado”, mas ressaltou que, no futuro, o céu deve ser livre.