2022-07-08
Imagem ilustrativa. Fonte: Belsat

De acordo com o Comitê de Investigação de Belarus, em fevereiro deste ano, um residente de 29 anos da Svetlahorsk juntou-se proativamente às formações, consideradas pelo regime “extremistas”: BYPOL e o Plano de mobilização Peramoha, cujos líderes receberam a tarefa de desativar a infraestrutura ferroviária na região de Homel, relata o Zerkalo. Os administradores do plano Peramoha enviaram ao homem instruções detalhadas sobre como fabricar armas e métodos para cometer crimes, bem como recomendações sobre medidas de conspiração. Eles também pagaram todas as despesas para a preparação da BYPOL (um pouco mais de 1000 rubels). O residente de Svetlahorsk ofereceu a seus amigos (de 33 e 51 anos de idade) entrar na “associação criminosa”.

“Na noite de 1º de março, os homens atearam fogo a um gabinete de revezamento com equipamento, que assegura a passagem segura de pedestres e veículos, causando o risco de consequências catastróficas, inclusive descarrilamento de trens e morte de passageiros”, disse o Comitê de Investigação.

Como resultado da investigação, os homens foram acusados sob quatro artigos do Código Penal de Belarus: participação em grupos extremistas e traição do Estado. “Os homens podem enfrentar a pena máxima até a morte por terem cometido esses atos”, disseram os investigadores.

O conselho editorial de Zerkalo consultou um advogado e chegou à conclusão de que, de acordo com a lei penal, o acusado deveria ser julgado de acordo com a legislação que estava em vigor no momento do crime. Nos últimos anos, ninguém morreu em Belarus em ações que as autoridades investigadoras consideraram como “atentados terroristas”. Assim sendo, de acordo com a lei que estava em vigor no momento, a pena de morte não deve ser imposta àqueles que cometeram tais ações antes de 29 de maio de 2022. O mesmo se aplica a esse grupo de “partizans ferroviários”, pois os atos a eles atribuídos foram cometidos na noite de 1º de março.