2022-06-10
Vital e Uladzislau Kyznetchyk. Foto: Andrei Strokin, zerkalo.io

Vital Kuznetchyk e seu filho Uladzislau, que se esconderam de perseguições na Embaixada da Suécia em Minsk por mais de um ano e meio, conseguiram fugir para a Letônia

Em uma das passeatas de protesto em Vitsebsk, Uladzislau tentou salvar seu pai de ser espancado por policiais. Depois disso, o pai e o filho Kuznetchyk se esconderam por vários dias, e no dia 11 de setembro chegaram à embaixada da Suécia em Minsk e pediram para entrar. Depois de serem recusados, eles pularam a cerca. O pessoal da embaixada lhes deu um quarto, mas seu pedido de asilo na Suécia não foi deferido.

O advogado Vadzim Drazdou apelou ao Comitê contra a Tortura da ONU, que proibiu extraditar Kuznetchyk e entregá-los para o regime de Belarus e reconheceu sua permanência no território da embaixada como legal. Um ano e meio depois, pai e filho decidiram por uma fuga arriscada.

Eles pediram aos funcionários da embaixada que os levassem a outra cidade para um exame médico. Em vez do exame, eles levaram diferentes ônibus e trens até a fronteira da Letônia. Os últimos quilômetros eles percorreram pela floresta e lama pantanosa. Na fronteira, os Kuznetchyk pularam a cerca. Esse detalhe faz os dois sorrirem: já ficaram famosos por isso.

Agora Vital e Uladzislau estão acolhidos em um campo aberto para refugiados. No dia 8 de junho, eles puderam participar de uma reunião com Sviatlana Tsikhanouskaya, que veio à Letônia para uma visita de trabalho.