2022-01-27

Número de presos políticos em Belarus alcançou o recorde de 1007 pessoas. Este é o triste resultado das repressões mais massivas da história do país, que não desaceleram em 2022.

A perseguição politicamente motivada em Belarus ampliou-se ainda antes das eleições presidenciais, na primavera de 2020. Inicialmente, os políticos que planejavam participar da campanha eleitoral, seus associados e voluntários das suas sedes políticas foram presos. Além disso, o regime tentou expurgar o campo da mídia independente, prendendo conhecidos blogueiros políticos. À medida que os protestos cresciam, ativistas, estudantes, representantes de organizações sem fins lucrativos, ativistas de direitos humanos e membros da comunidade de especialistas foram alvos da repressão. Atulamente, 32 representantes da mídia estão presos.

Em 2021, de acordo com ativistas de direitos humanos, réus em julgamentos politicamente motivados foram sentenciados a 1992 anos de prisão, 673 anos de campo de trabalho forçado e 740 anos de trabalho forçado na prisão domiciliar. Um total de 1.285 pessoas foram condenadas, incluindo 1.051 homens, 234 mulheres e 9 menores de idade. A maioria, 416 pessoas, foi condenada sob o principal artigo de “protesto”: “ações de grupo que violam grosseiramente a ordem pública”. Um grande número de processos criminais foi aberto por insultar um representante do regime ou o próprio Aliaksandr Lukashenka. O número real de presos políticos no país pode ser muitas vezes maior: em julho de 2021, o regime relatou 4.200 casos criminais relacionados aos protestos. Para ser concedido o status de preso político, é preciso o reconhecimento das coalizões de organizações de direitos humanos com base em vários critérios. Aqueles que estão em trabalho forçado na prisão domiciliar não são considerados prisioneiros políticos porque não estão em instalações correcionais.

Os países democráticos desenvolvidos condenam veementemente as ações do regime de Belarus e apelam à libertação dos presos políticos. ODepartamento de Estado dos E.U.A e a União Europeia publicaram declarações referentes a isso. Eles exortam Belarus a cumprir as suas obrigações jurídicas internacionais para proteger os direitos humanos e as liberdades fundamentais.