Ales Bialiatski: O que vai acontecer com Belarus?

No dia 25 de novembro, o 500º dia de prisão do defensor dos direitos humanos Ales Bialiatski, a organização germano-suíça Libereco realizará eventos em Zurique e Haia para exigir a libertação de Ales e de todos os presos políticos belarussos. Os diplomatas europeus criaram uma petição para a libertação do lendário ativista dos direitos humanos.

De acordo com seus associados e colegas, Ales está muito provavelmente fazendo anotações sobre o mundo ao seu redor para seu novo livro enquanto estiver na prisão neste exato momento. As pessoas que conhecem Ales como o fundador e chefe do Centro Belarusso de Direitos Humanos Viasná, um dos iniciadores do movimento democrático e ganhador do Prêmio Nobel da Paz, provavelmente gostarão de saber que Ales Bialiatski também é conhecido como escritor e pesquisador da literatura belarussa.

No total, ele publicou cerca de dez livros, muitos dos quais foram escritos durante sua prisão. Em seus livros ele discute os acontecimentos de sua vida pessoal e pública, as pessoas ao seu redor, suas viagens, a história e a literatura de Belarus, e sua situação na prisão. Entre eles estão livros como “Literatura e nação” publicado em 1991, e “A Luta Consigo Mesmo, os três primeiros capítulos do qual foram escritos na colônia penal em Babruisk. O seu livro “Cadernos da Prisão”, por sua vez, consiste de anotações no diário, que foram feitas em cadernos diferentes ou em folhas de papel separadas durante o encarceramento de Ales.

Em entrevista ao projeto de mídia August2020 em maio de 2021, Ales Bialiatski relembra os acontecimentos de 2020 e compartilha suas ideias:

Você entra num ambiente em que tem que ser pressionado, tem que ser humilhado, tem que ser perseguido, tem que ter limitados até mesmo os poucos direitos que tem na prisão. Essas coisas, infelizmente, estão agora sendo cultivadas contra os presos políticos. Eu também estive na prisão. É claro que você tem que ter resistência e paciência ali, porque às vezes é preciso esperar dias, semanas, meses e não fazer movimentos bruscos desnecessários.

Em geral, havia a sensação de que havia chegado uma guerra. Na verdade, eu estava esperando que a lei marcial fosse imposta, que o exército fosse trazido para cá. Mas, por alguma razão, o regime não fez isso na época e recuou. Não sei, talvez algo tenha acontecido ali psicologicamente ou eles não estavam prontos para uma resistência tão teimosa e para essa onda de ódio contra eles por eleições fraudulentas, por roubar às pessoas a oportunidade de escolher.

Podemos ver que, naquela época, Belarus toda estava alerta, as pessoas exigiam justiça e nada mais. Certamente, foi uma ordem, certamente, não foi uma ordem única. Era uma ordem para suprimir os protestos em massa pela força, usando esses métodos sádicos: tortura, assassinatos, ferimentos.

Fui aos arquivos do Centro Viasná e olhei o que havia acontecido depois da Marcha da Liberdade de 1999, que havia acontecido 20 anos antes. Tanto então como agora, a maioria absoluta das pessoas que foram detidas eram cidadãos comuns, não eram militantes treinados, não eram esquadrões treinados que estavam prontos, por assim dizer, a tomar o poder pela força de alguma maneira. Trata-se de pessoas das camadas mais amplas da população.

Vimos tudo isso, quando essas pessoas vieram até nós com seus depoimentos, começaram a nos contar. É a atmosfera de constante tensão. Você está lá o tempo todo, como se estivesse em guerra. Agora se descobre que nosso trabalho é declarado criminoso, é proibido.

Mas, na sua esmagadora maioria, a atitude das pessoas não mudou, isso é absolutamente certo. As pessoas não vão tolerar esse governo, e o governo está em minoria. Isto não pode continuar por muito tempo. Eu diria que só temos que aguentar, desta vez temos que aguentar…”

Botão Voltar ao topo