2021-09-22
Salão da Assembleia Geral da ONU.

A 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU está ocorrendo em Nova York. A Bielorrússia foi um dos temas levantados pelos líderes de países estrangeiros.

Presidente dos EUA Joe Biden disse em seu discurso que o mundo democrático está vivo nos manifestantes pacíficos na Bielorrússia: «O futuro pertence àqueles que liberam o potencial dos povos, e não o suprimem. O futuro pertencerá àqueles que deixarem o povo respirar livremente, e não àqueles que sufocarem seus povos. Governantes autoritários afirmam que o mundo acabou com a democracia. Mas eles estão errados. A verdade é que o mundo democrático está vivo em todos os lugares em ativistas anticorrupção, ativistas de direitos humanos, jornalistas, manifestantes pacíficos na Bielorrússia, Mianmar, Cuba, Venezuela e em outros lugares».

O presidente da Polônia, Andrzej Duda, declarou que cerca de 150 mil belarussos partiram recentemente para a Polônia e apelaram à comunidade mundial para uma maior solidariedade com o povo belarusso. «Digo tudo isso como líder de um país onde cerca de 150.000 bielorrussos receberam abrigo e trabalho, incluindo milhares de manifestantes. Eu disse recentemente aos nossos irmãos bielorrussos que eles são bem-vindos e que a Polônia será sua casa enquanto eles considerarem conveniente e necessário. Eu aderi firmemente a essas palavras», disse ele.

Andrzej Duda observou que desde agosto do ano passado, milhares de bielorrussos, saindo para protestos pacíficos, encontraram bastões, gás lacrimogêneo e até balas. Duda também informou a Assembleia Geral sobre as sentenças proferidas a Maria Kolesnikova e Maksim Znak e lembrou os representantes das minorias polonesas detidas pelas autoridades bielorrussas – Anzhelika Borys e Andrzej Poczobut – e centenas de outros presos políticos. «Exigimos a sua libertação e maior solidariedade da comunidade internacional com o povo da Bielorrússia, que só quer um Estado honesto, uma democracia honesta», disse Duda. União.

O presidente lituano Gitanas Nauseda em seu discurso incitado pressionar o regime bielorrusso. Ele acusou Minsk de um ataque híbrido organizado na forma de uma crise migratória e também abordou a operação do BelNPP. Nauseda acredita que as ações das autoridades bielorrussas também podem ter impacto na segurança internacional. Ele lembrou o incidente com a aeronave da Ryanair, comparando-o a um ato de terrorismo patrocinado pelo Estado. «Há vários meses, a Lituânia enfrenta um ataque híbrido sem precedentes. Ao criar e direcionar artificialmente os fluxos de migração ilegal, a Bielorrússia procura exercer pressão política sobre a União Europeia», informa o serviço de imprensa do presidente lituano. Nausėda afirmou que a Lituânia rejeita veementemente esta tentativa de semear a discórdia e pediu à ONU que aborde a questão.

O presidente da Letônia, Egils Levits, em seu discurso na Assembleia Geral da ONU, propôs realizar novas eleições presidenciais livres em Belarus, na presença de observadores internacionais. «No ano passado, a Letônia também acompanhou de perto os dramáticos desenvolvimentos em seu país vizinho, Bielorrússia, onde as tentativas públicas de decidir sobre o futuro de seu país estão sendo brutalmente reprimidas. A Letônia condena veementemente as ações do regime de Lukashenka contra a sociedade civil bielorrussa, mídia independente e jornalistas», disse Levits.

A presidente eslovaca Zuzana Chaputova também levantou a questão bielorrussa. «Devemos tornar a democracia mais sustentável apoiando aqueles que lutam por direitos básicos, incluindo a liberdade de expressão e o direito de reunião. Os cidadãos devem ter direito à liberdade de expressão, especialmente na Bielorrússia, onde 650 pessoas estão sendo processadas em tribunais políticos, ou na Crimeia ocupada, Venezuela, Rússia», disse Chaputova.