2022-01-11

De acordo com a Radio Free Europe, Maryia Kalésnikava foi transferida para a única colônia penal feminina em Belarus, perto de Hómel. Kalésnikava, proeminente ativista da oposição, foi condenada a 11 anos de prisão, em setembro, por acusações de conspiração para tomar o poder. Ela está presa desde setembro de 2020, depois que se recusou a deixar Belarus e rasgou seu passaporte.

No ano passado, Kalésnikava recebeu vários prêmios, incluindo o Prêmio Václav Havel de Direitos Humanos e o Prêmio Palavra Sem Medo Martin Luther, homenageada por sua notável contribuição à defesa dos direitos humanos, em meio à repressão contínua em Belarus. Em uma entrevista escrita à Deutsche Welle, a ativista afirmou que se sentia “honrada por trilhar o caminho da liberdade e da mudança com o povo belarusso”.