2021-11-24
Sviatlana Tsikhanouskaya.

Em 24 de novembro de 2021, Sviatlana Tsikhanouskaya fez pronunciamento no Parlamento Europeu. Seu discurso durou 30 minutos. A política belarussa afirmou que a União Europeia deveria ser mais dura em relação ao regime belarusso. Tsikhanouskaya lembrou que enquanto a Europa está pensando, as repressões em Belarus apenas se intensificaram: a sociedade civil do país foi esmagada, assim como meios de comunicação independentes, ativistas, jornalistas, ativistas dos direitos humanos, pessoas comuns estão atrás das grades, que ousaram expressar sua opinião, que é diferente da opinião do atual regime, há centenas de condenados na prisão desde as eleições de 2020.

De acordo com Sviatlana Tsikhanouskaya, diante de um desafio, você pode parar, ficar paralisado de medo ou pode “assumir o controle do destino e virar a maré da história europeia”. Desde agosto de 2020, muitos passos simbólicos foram dados e declarações de solidariedade foram feitas, mas agora, destacou a política, é hora de a Europa iniciar uma ação decisiva, e não esperar mais um ano porque nem os belarussos nem os europeus têm este ano. Tsikhanouskaya criticou repetidamente a UE pela sua reação moderada às ações do regime belarusso, em particular as frequentes “expressões de profunda preocupação”. “Vocês acham que essas pessoas (em Belarus) entendem o que queremos dizer quando falamos sobre procedimentos burocráticos demorados e diplomacia complicada na UE? Vocês acham que declarações de profunda preocupação lhes dão esperança e confiança?” — observou ela.

Tsikhanouskaya comparou o regime de Lukashenka a um vírus que visa escravizar todo o corpo e propôs três etapas para se livrar dele: isolamento (não reconhecimento), tratamento (privação de recursos) e formação de imunidade (ampliação da assistência à sociedade civil). Além disso, ela exortou a não reconhecer quaisquer acordos assinados pelo regime em Minsk, a não nomear novos embaixadores para Belarus, a não convidar seus representantes para eventos esportivos ou culturais e também a suspender sua participação na Interpol.

Os deputados europeus reagiram ao discurso de Tsikhanouskaya com uma ovação de pé, que durou cerca de um minuto.