2021-07-28
Sviatlana Tsikhanouskaya (à esquerda), Lidziya Yarmoshyna (à direita).

Em entrevista ao portal estadunidense BuzzFeed, Sviatlana Tsikhanouskaya falou sobre as ameaças que recebeu no gabinete da chefe da Comissão Eleitoral Central, Lidziya Yarmoshyna, na véspera de sua partida forçada de Belarus em 10 de agosto de 2020. Até agora, Sviatlana Tsikhanouskaya se recusava a revelar os detalhes da emigração forçada.

Segundo ela, foi-lhe dito que iria para a prisão por 15 anos, assim como seu esposo Siarhei. Além disso, ela foi ameaçada de perder o direito de cuidar do seu filho e sua filha e foi informada “em detalhes horríveis sobre como as mulheres são tratadas na prisão”.

Em 10 de agosto de 2020, Sviatlana Tsikhanouskaya, juntamente com o advogado Maksim Znak, apresentou uma reclamação sobre os resultados oficiais das eleições ao Comitê Eleitoral Central. Como resultado, ela não pôde sair do escritório de Lidziya Yarmoshyna, onde altos funcionários da segurança conversaram com ela por várias horas.

Maksim Znak foi preso em 9 de setembro de 2020. Em 4 de agostocomeçará o julgamento de Maksim Znak e Maryia Kalêsnikava.