2022-03-23
Prisão em Jódzina. Foto: ex-press.by

No início de março, mais de 600 pessoas foram presas em Belarus: algumas foram detidas preventivamente antes do referendo e outras, por manifestações antiguerra. Nos primeiros dias após as ações antiguerra, 650 tribunais foram realizados. Muitos casos foram considerados em 7 minutos. Os julgamentos aconteceram via Skype. A mesma pessoa, que é funcionária do departamento de polícia, sempre atuou como testemunha. Um dos detentos informou que os termos da prisão já haviam sido determinados com antecedência.

Um ex-detido falou ao Centro de direitos humanos Viasná sobre as condições da sua prisão de Jódzina. O homem foi detido no dia 27 de fevereiro de 2022. Antes de serem designadas para as celas, algumas pessoas foram mantidas do lado de fora, no pátio, durante horas. Ele foi colocado em uma cela de quatro leitos com cerca de 15 outras pessoas. Os colchões e a roupa de cama foram tirados. As celas estavam muito quentes, a calefação estava escaldante. Só havia água fria na cela. Depois de alguns dias, os guardas trouxeram um rolo de papel higiênico e um jornal (para usar no lugar de papel higiênico). Muitos, na cela de isolamento, tinham um distúrbio alimentar devido à comida local. Os detidos não estavam autorizados a tomar banho ou passear. À noite, um dos detentos se sentiu doente. Um médico oficial chegou e lhe deu duas pílulas desconhecidas e se recusou a explicar qual era o remédio. Muito provavelmente foi um comprimido para dormir, pois o homem adormeceu imediatamente depois de tomar as pílulas.

Os detentos foram espancados e gás pimenta foi usado contra eles. Poucas horas depois de terem terminado de tomar os comprimidos, os funcionários da prisão entraram em algumas celas, ordenaram que se deitassem de barriga para baixo e começaram a pisar nas costas daqueles que estavam deitados ali. Um oficial estava na entrada e filmando o que estava acontecendo em seu smartphone. Em outras celas, os detidos foram severamente espancados.

Não há médicos na prisão de Jódzina que estejam prontos para fornecer assistência médica. De acordo com os guardas, os médicos não querem trabalhar com essa instituição por causa do mesmo tipo de queixas dos detentos. Após a libertação, muitas pessoas que passaram por detenção não conseguem encontrar seus pertences, porque eles são recolhidos em sacolas sem identificação.