Postado em: 2022-01-04 Posted by: Voice of Belarus Media Comments: 0

Tatsiana Batura: 46 dias de prisão, greve de fome, confinamento solitário e morte do pai

Tatsiana Batura (32), de Minsk, foi presa em 15 de novembro de 2021, apenas por querer estar presente no tribunal durante o julgamento. Ela foi presa três vezes repetidamente, como resultado, ela passou mais de 6 semanas presa em condições desumanas. Quando mais uma audiência foi adiada devido à morte de seu pai, Batura não esperou pelo veredicto e fugiu de Belarus. Ela está segura agora.

No dia de sua prisão, Batura compareceu ao tribunal onde estava ocorrendo o julgamento da prisioneira política Volha Zalatar… Ela não foi autorizada a participar do julgamento e foi levada ao departamento de polícia, onde foi interrogada pelo vice-chefe Dzianis Martsul. Quando a jovem exigiu chamar o defensor, Marzul bateu-lhe no rosto, de modo que ela bateu com a nuca em um cofre de metal, que estava atrás. Seu pedido de assistência médica foi ignorado. Só um dia depois, a pedido do advogado, ela foi levada à clínica, onde foi diagnosticada uma lesão na cabeça.

Durante sua prisão no centro de detenção na Rua Akrestsina, conhecido por suas condições desumanas, Tatsiana Batura fez greve de fome por 13 dias e perdeu peso a um ponto crítico. Ela foi mantida por 20 dias em uma minúscula cela de punição, onde a cama está presa à parede. Os guardas se recusaram a desprender a cama mesmo à noite, então a prisioneira política teve que dormir no chão. Nas últimas duas semanas, Batura ficou em uma cela com mulheres sem-teto. Além dos piolhos que Tatsiana Batura tinha já no início da prisão, nessa cela também havia percevejos que picaram todo o corpo.

Em 30 de dezembro de 2021, Batura deveria ser liberada, mas isso não aconteceu. Um dia antes da suposta libertação, seu pai morreu, mas ela nem mesmo foi liberada para o funeral e um novo julgamento foi agendado para 31 de dezembro de 2021. Quando a mãe pediu para liberar sua filha para o funeral de seu pai, um dos policiais rudemente respondeu que não se importava. No entanto, em 31 de dezembro de 2021, a juíza emitiu uma ordem de liberação e adiou o julgamento para 3 de janeiro de 2022. Da prisão, Batura foi ao funeral de seu pai e, alguns dias depois, já estava segura, fora de Belarus.

Categories: