2021-12-01
Marfa Rabkova.

Marfa Rabkova, defensora dos direitos humanos e coordenadora do Serviço de Voluntariado do Centro de direitos humanos Viasná, está enfrentando novas acusações relacionadas a “colocar em risco a segurança nacional” que podem levar até 20 anos de prisão, informa Viasná em seu site. A ativista de 26 anos rejeita todas as acusações contra ela como de motivação política.

De acordo com uma carta que Rabkova enviou à sua família, da prisão, o regime acusou-a de gerir uma organização criminosa, incitar a hostilidade social e apelar a uma ação que visa prejudicar a segurança nacional. A ativista de 26 anos foi detida junto com seu marido Vadzim Jaromski em setembro de 2020. Ela está detida em prisão preventiva desde então. Sete outros funcionários do Serviço de Voluntariado de Viasná também foram presos sob acusações espúrias, com dois deles condenados à prisão em julgamentos a portas fechadas.

A Anistia Internacional reiterou o seu apelo às autoridades belarussas para que libertem Rabkova e outros ativistas de direitos humanos detidos arbitrariamente. Marie Struthers, Diretora da Anistia Internacional para a Europa Oriental e Ásia Central, disse: “O caso de Marfa Rabkova resume os horrores atualmente enfrentados pelos defensores dos direitos humanos e pela sociedade civil em geral em Belarus.” Nos últimos 18 meses, o regime de Lukashenka declarou ilegal toda a comunidade de direitos humanos, fechando um grande número de ONGs no país.